segunda-feira, 5 de março de 2018

Semana da Leitura

Hoje começou mais uma Semana da Leitura. Este ano, em vez de sermos só participantes passivos, decidimos pôr mãos à obra e organizamos uma atividade para os sextos anos e outra para os quintos, com a ajuda da professora Sandra Figueiredo.
Para os nossos colegas do 6° ano, organizamos o "Almoça com letras!", que consistiu em lhes entregar, juntamento com o tabuleiro, uma pequena e divertida ficha de trabalho sobre textos e conteúdos leccionados até então nas aulas de Português.
Para os alunos do 5°ano, organizamos um Peddy-paper na Biblioteca da escola. Cada turma do quinto ano irá, em horas distintas, tentar responder a cinco questões sobre diversos livros lá existentes. Hoje, foi a vez do 5°A. 
Estamos muito entusiasmados e orgulhosos de nós! 
Libertem o leitor que há em vós!





 















quarta-feira, 28 de fevereiro de 2018

Operação Nariz Vermelho

A Matilde apresentou-nos, em vez de um livro, uma associação de apoio à criança - Nariz vermelho. Esta associação é composta por Doutores Palhaços que tornam mais feliz e suportável a vida das crianças hospitalizadas.
No final da apresentação, a nossa querida colega ainda nos presenteou com um nariz de palhaço, oferecido gentilmente pela associação. Obrigada! Foi uma aula espetacular!















sexta-feira, 16 de fevereiro de 2018

sexta-feira, 9 de fevereiro de 2018

Mamma Mia

A Mariana fez a apresentação oral deste Musical, a Letícia trouxe o filme para nós vermos e a seguir tentámos resumir o filme em forma de poema. Deixamos-vos alguns desses poemas.

O filme Mamma Mia,
Um romance musical,
Retrata a história de uma menina,
Dos seus três possíveis pais 
Num momento especial!!!

Com esperanças de seu pai encontrar
Sofia convida-os para o casamento
Lançam-se eles ao mar
Mas quem a levará ao altar?

No final têm de ver:
Quem será o seu pai,
O que Sofia resolveu fazer
E o casamento com Sky.

Afinal de contas,
Não tem muito que saber
Simplesmente um filme interessante 
Para ver e rever!

Obrigada à Mariana 
Por este filme apresentar
É um romance divertido
E que nos põe logo a cantar! 
(Francisca)


O musical Mamma Mia
É um filme de encantar,
Ouvide agora minha gente
O que eu vos vou contar!

Estava Sophie prestes a casar,
Mas um problema havia
Quem a levaria ao altar?

Seu pai era desconhecido
Ninguém sabia onde o entrar
Por isso decidiu vasculhar
Para ver se o descobria!

Procurou, procurou,
E três suspeitas encontrou.

Era o Sam?
Era o Bill?
Era o Harry?
Quem seria?

Chegou o dia,
E algo foi revelado!
(Mariana)


Este filme fala sobre amor,
Carinho e paixão. 
Fala sobre casamento
E também solidão. 

Uma mulher
Com três homens namorara 
E o mais bonito
Com ela casara. 
(Tiago Correia)


As tias de Sofia
Não eram turcas
Mas eram
 muito malucas

A Sofia
Vai-se casar
E os pais
Fizeram-se ao mar.

O filme
É mais cantado
Do que
Falado.
(Diogo)




segunda-feira, 29 de janeiro de 2018

Tecnologias - a nova dependência

Hoje a GNR veio à escola alertar-nos sobre os perigos da dependência da Internet e das tecnologias a ela associadas. Aconselhou-nos a gerir o nosso tempo da melhor forma para que o passemos da maneira mais variada possível e com menos tecnologias. Nós escutamos com muita atenção e portamo-nos muito bem.


Na segunda parte da aula, comemorámos a lição número 100 a Português,  com um pequeno lanche, jogos e música!









terça-feira, 23 de janeiro de 2018

Parlamento Jovem - Igualdade de Género, um debate para todos

A nossa turma participou, mais uma vez, nesta iniciativa bem interessante. A Matilde foi uma dos 3 alunos escolhidos para representar a nossa escola na fase distrital.
Ontem, dia 22 de janeiro, decorreu um debate, no Cineteatro, com a presença da deputada Inês Domingos, do Presidente da Câmara - Paulo Santos, da Presidente da Assembleia Municipal - Eugénia Duarte, da  diretora do nosso Agrupamento - Helena Castro e de alunos da EBFL. Este debate foi moderado pela coordenadora do projeto, a professora Margarida Dias.









A Bela Infanta

Tirando as vezes em que deixamos os professores "com o cabelo em pé", nós somos espetaculares e quando nos dedicamos a uma coisa, vamos até ao fim (ou quase, vá...). Seguem-se as nossas dramatizações daquele poema bem conhecido e estudado nas aulas de Português - A Bela Infanta.













sexta-feira, 10 de novembro de 2017

Magusto Escolar - festa

"We Are The World" é uma canção idealizada e composta por Michael Jackson e Lionel Richie, gravada em 28 de janeiro de 1985 por 45 dos maiores nomes da música norte-americana, no projeto conhecido como USA for Africa. O projeto tinha como objetivo arrecadar fundos para o combate à fome no continente africano. Inspirados pelo Live Aid, festival organizado pelo músico irlandês Bob Geldof, que reuniu dezenas de astros da música mundial, Jackson e Richie convocaram um supergrupo de artistas em evidência à época. O single e o vídeoclipe renderam cerca de 55 milhões de dólares. Foi produzido pelo maestro Quincy Jones, que também fez a regência do grupo vocal. A venda atingiu 7 milhões de cópias só nos Estados Unidos, tornando-se um dos singles mais vendidos de todos os tempos." WIKIPÉDIA

      Nós preparámos esta versão com a ajuda da professora de Inglês e do professor de Educação Musical, para vos apresentarmos neste dia de S.Martinho que, segundo reza a lenda, foi alguém que também repartiu os seus bens com os que mais precisavam.




quinta-feira, 9 de novembro de 2017

Tradições ciganas

As minhas tradições…
(etnia cigana)

Eu sou de etnia cigana com muito orgulho. Temos muitas tradições mas eu vou falar das mais importantes. Como por exemplo, quando os cães uivam, para nós é mau. Temos a nossa língua portuguesa mas também temos uma língua que se chama o “romanó”, é a língua que não podemos falar para pessoas que não sejam da nossa etnia, se o fizermos é um erro que cometemos na vida.
Temos a nossa tradição nos casamentos, eles duram três ou quatro dias, os baptizados também. Antigamente, referiam-se ao da etnia cigana dos “ pailhos “ a maneira de vestir, de falar, etc… E agora já não, as roupas das ciganas são como as das “ lacurrilhas “. Em Moimenta da Beira ainda há ciganas com os nossos costumes: andarem de saias compridas,  de chinelos , etc… Nós cá no Sátão e em Viseu já não, as solteiras e as casadas andam de calças, de sapatilhas…
O que eu gosto na minha etnia é a língua que temos, o “ romanó”, porque nós podemos estar a falar com uma pessoa da nossa etnia, podemos trata-lo bem e ele não entende, mas também o podemos tratar mal, que também não entende. Gosto da tradição que temos nos casamentos pois há muita diversão.
O que não gosto na nossa etnia é as meninas de etnia cigana não podem usar telefone, facebook e não podemos estar à frente dos nossos pais com um rapaz, porque senão levamos uma sova. Mas às vezes nós, meninas de etnia cigana, somos espertas e fazemos um facebook sem os nossos pais saberem, mas depois quando eles descobrem é complicado.
Mas pronto, apesar de termos estes costumes que eu não gosto, eu tenho muito orgulho de ser cigana, todos os dias agradeço a Deus por me ter feito cigana.
Obrigada pela vossa atenção….

(uma aluna da nossa turma)

terça-feira, 31 de outubro de 2017

Músicos de Bremen - continuação da história

“ (…)Desde esse dia, os ladrões nunca mais se arriscaram a entrar na casa, o que foi ótimo para os quatro músicos de Bremen, que nela se instalaram, vivendo tão regaladamente que nunca mais quiseram sair.
E quem por último a contou, ainda a boca não lhe esfriou.”


Mas a história não acaba aqui!
Nós ajudamos os irmãos Grimm a continuar esta aventura…


Mas passado um tempo, fartaram-se de viver ali e puseram-se ao caminho. Continuaram a andar até que encontraram um urso que, com um pau, estava a mexer numa colmeia a tentar tirar mel. O burro aproximou-se e perguntou-lhe:
- Queres juntar-te a nós?
- Para quê? – Perguntou o urso com olhar resmungão.
- Ficas como maestro na nossa banda.
- Ok – respondeu o urso.
E lá foram eles pelos campos, chuvas e tempestades. Finalmente, chegaram a Bremen, onde havia tanta gente que nem sabiam onde se haviam de meter.
Foram, então, à Casa da Música onde pediram à segurança Raposa:
- Podemos falar com o coordenador Cavalo?
- Agora não, porque ele está muito ocupado! – Respondeu a Raposa.
Mas eles esperaram e esperaram, até que finalmente ele saiu do gabinete. Nesse instante, eles perguntaram-lhe:
- Acha que podemos entrar para a Casa da Música e formar uma banda?
- Não! – Respondeu o Cavalo, indo-se embora.
Eles ficaram desiludidos, mas o Burro, que é um animal pouco esperto, teve uma ideia inteligente.
- Vamos formar a nossa própria banda de música.
Passado um ano, eram a melhor banda da cidade.
 Tiago Correia e Diogo Sousa.




  

No dia seguinte mudaram de ideias e pensaram em tentar voltar para suas casas. Quando chegaram, os donos perceberam que os tinham tratado um pouco mal e pediram desculpa. Passados alguns dias, juntaram-se numa floresta e fizeram a sua própria banda, à qual chamaram “Os quatro amigos”.
A banda tinha muito sucesso e o nome da banda também ajudava a terem mais sucesso. Os quatro amigos, a partir daí, ficaram ainda mais amigos e os donos ficaram mais contentes com os seus animais.

Simão e Sérgio





Os quatro músicos sentiram-se tão bem naquela casa que nunca mais quiseram de lá sair. Até que um dia se lembraram do seu antigo sonho e resolveram fazer-se à estrada.
Passado algum tempo, chegaram a Bremen onde procuraram a banda da cidade. Fizeram as audições, mas não passaram, por isso decidiram criar a sua própria banda. Tiveram tanto sucesso que viajaram pelo mundo todo. Mas depois de um determinado concerto deram conta que afinal estavam na terra onde lhes tinha surgido esse sonho.
Como já tinham saudades foram, cada um, procurar a sua casa onde estavam os últimos vestígios dos seus donos já mortos e decidiram continuar a sua carreira naquela terra.
Mariana, Carolina e Letícia




Passado algum tempo, decidiram construir uma banda que se chamava “Bucogalo” e essa banda teve muito sucesso.
Os ladrões foram presos, a banda deles foi evoluindo e cada vez mais arranjaram mais colegas para a sua banda e foram felizes para sempre.
Janice e Taísa




Decidiram então fazer daquela casa uma Casa de Música. Quando formaram a Casa, decidiram espalhar por todo o lado a notícia que teria aberto uma Casa de Música em Munique.
Passado algum tempo, tiveram muito sucesso e aquela casa foi reconhecida em todo o mundo.
Tomé, Guilherme e Luís


  
O burro, como já estava velhinho, decidiu voltar para casa. Pegou no seu i-phone e pesquisou no Google Maps a sua velha quinta. Seguiu o trajeto e quando chegou a Vouzela deu conta que a sua quinta estava reduzida a cinzas e o dono estava nos cuidados intensivos do hospital de Viseu. Alugou, então, um carro no Rent-a-car e seguiu para Bremen.
Lá, encontrou os amigos falidos e decidiu ensinar-lhes técnicas de Metal que aprendeu no Youtube. O cão tocava guitarra – uma Epiphone, o gato tocava órgão, o galo era rapper e o burro metalofone. Depressa se tornaram num grupo viral na Net: gostos no Instagram, likes no Twitter, snaps no Snapchat, stories no Facebook, mensagens no Whatsapp e adoros no Musica.ly. Apareciam em todas as capas de revistas – Caras, Visão e Lux, no Jornal M e no telejornal, entrevistas exclusivas, etc.
Entretanto, o burro sofre um AVC e morre. O resto do grupo passa a viver na casa da avó do gato, uma solteirona com 30 gatos e passaram a dar mais valor ao tricô!
Mafalda, Matilde e Francisca


  
Passado algum tempo, saíram da casa dos ladrões e decidiram voltar para casa dos seus donos. Quando lá chegaram, os donos ficaram muito admirados e zangados ao mesmo tempo. Só que, como estavam muito felizes por vê-los, nem pensaram em ficar zangados, pois tinham muitas saudades deles.
A dona do galo não o matou, a dona do gato não o afogou, o dono do cão não o matou e o dono do burro não se livrou dele.

Tatiana, Eva e Fernanda



Eles criaram a sua própria banda em que se chamavam "Os Grimm". O burro era o alaúde, o gato xilofone, o cão timbale, o galo era o cantor. Certo dia, encontraram-se com os ladrões e interrogaram-nos:
- Querem fazer parte da nossa banda?
- Sim, queremos.
Daí em diante, os ladrões faziam teatro enquanto os animais cantavam, assim as pessoas entretinham-se. Praticavam todas as manhãs. A banda foi crescendo muito e ganharam muito dinheiro. Assim, foram fazendo os seus próprios materiais com a sua empresa.
Mas houve um dia em que tiveram de acabar com a banda por causa da idade.
Leandro, Tiago Lopes e Rui